BolsonaroGovernoSegurança

Presidente destaca queda no número de homicídios

Em suas redes sociais, Bolsonaro comentou pesquisa que aponta redução de 24% no primeiro trimestre

User Rating: 5 ( 1 votes)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, usou suas redes sociais para comentar a redução no número de homicídios no Brasil no primeiro trimestre desse ano. De acordo com dados oficias dos estados, houve uma queda de 24% nos números em relação ao mesmo período de 2018. “‘Especialistas’ dirão que a queda não tem relação com nossas ações, mas se o número tivesse aumentado, certamente culpariam o governo”, disse o presidente.

O ministro da Justiça, Sergio, Moro, também comentou em sua rede social que o resultado mostra um “bom começo” mas, segundo ele, o mais relevante é transformar a redução em tendência permanente. “Em todos os Estados que visito, o comentário é de que o número de crimes tem caído desde janeiro. Mérito de muitos, Governos locais e federal, do PR Bolsonaro. Muito ainda a fazer e o mais relevante é transformar isso em tendência permanente”, afirmou.

 

ORANDO PELAS AUTORIDADES

1 TM 2.1-7

Há diversas palavras associadas à prática da oração. Falamos de pedidos, clamores, preces, orações, rezas, rogos, intercessões, petições e algumas outras mais. Dentre todas, uma que pode ser classificada como das mais intensas é a súplica. O ato de suplicar implica um pedido insistente, humilde e desesperado. É quando nos dirigimos, especialmente a Deus, clamando por algo que intensamente desejamos e que, sem Ele, temos a plena consciência de que nunca o alcançaremos.

Apesar de geralmente usarmos da súplica para questões bem pessoais, o apóstolo Paulo nos exorta a suplicar especialmente pelas pessoas investidas de autoridade sobre nossa vida (naquela época, representado pelos reis). Presidentes, governadores, prefeitos, deputados, senadores, vereadores, policiais, juízes, desembargadores… todos são alvos da súplica do cristão.

Duas palavras, já no primeiro versículo, entretanto, chamam a atenção. Inicialmente, a própria “súplica”. Quando entendemos que nosso bem-estar nesta vida está intimamente relacionado às decisões de nossos governantes, e que, à medida que Deus os abençoa com sabedoria e discernimento, tais decisões irão gerar paz e um caminho aberto para a expansão do Reino de Deus, não oraremos apenas “para constar”, mas suplicamos, pois sabemos que nenhuma autoridade escapa à autoridade maior do Senhor e que Ele inclina o coração do rei para onde quer (Jo 19.11; Pv 21.1).

Outra palavra é “exorto”. Exortação implica uma forte persuasão para se fazer algo que naturalmente não seria feito. Não é difícil imaginar a necessidade de exortação naqueles dias para se orar pelos reis, pois eles eram os primeiros a lançar perseguição sobre a comunidade cristã, enviado vários às feras do Coliseu Romano. Da mesma forma, vivemos tempos em que o sentimento da nação é hostil em relação aos governantes. Para que oremos com intensidade de súplica por eles, é preciso receber a exortação da eterna Palavra de Deus. Não é uma opção, mas uma ordem para aquele que crê.

O resultado, como é de se esperar, não poderia ser melhor: “para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito” (v. 2).

Pr. Luís F. Nacif Rocha ∙ Pastor Auxiliar

Fonte: http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/noticias/2019/05/presidente-destaca-queda-no-numero-de-homicidios

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios