Na L.S.F Informática, você encontra manutenção preventiva e corretiva de computadores, vendas de produtos de limpeza (Vassouras, rodos, limpa teto, esfregão, cabos para vassouras, cloro em gel, detergente, água sanitária, desinfetante, sabão de coco, amaciante, sabão gel pastoso, veja, limpa alumínio, soda líquida, cera líquida, pano de chão, entre outras variedades) temos xerox, impressões, plastificações, recarga de celulares, vendas de acessórios para celulares e computadores, divulgação de publicidade volante, criação e vendas de sites e lojas virtuais e outras variedades.
BolsonaroCidadãoSaúdeSuperinteressanteTimóteoVale do Aço - MG

Sete em cada dez brasileiros se automedicam, aponta pesquisa

Remédios para dores, relaxantes musculares e anti-inflamatórios são os mais usados sem recomendação médica; internet é fonte frequente de consulta.

Recorrer a medicamentos sem receita é algo rotineiro para sete em cada dez brasileiros acima de 18 anos. A constatação é de uma pesquisa da plataforma Consulta Remédios, com 5.131 participantes. Um terço dos entrevistados afirmou usar remédios por conta própria sempre que julgam necessário. Os principais remédios usados são analgésicos (33%), relaxantes musculares (20%) e anti-inflamatórios (16%). Todos esses são vendidos sem receita.

O CEO da Consulta Remédios, Paulo Vion, conta que o percentual de brasileiros que admite se automedicar (73%) chamou atenção. “Normalmente, os brasileiros têm vergonha de dizer que se automedicam. O fato de estarem mais confiantes em dizer o que realmente acontece é um reflexo de mais maturidade da população”. Além de ser algo cultural entre os brasileiros, a automedicação também tem outros componentes, incluindo dificuldades no acesso ao sistema de saúde.

Vion acrescenta que 68% das pessoas têm por hábito buscar sintomas de doenças no Google. “Ele descobre o que ele possa ter. Deveria ir ao médico, mas pula essa fase e vai direto à compra”. “Todo medicamento tem risco, por mais inofensivo que possa parecer”, adverte o toxicologista e patologista clínico Álvaro Pulchinelli, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Analgésicos, se tomados em excesso, podem causar problemas no fígado. Já os anti-inflamatórios podem desencadear desde irritação gástrica até alteração na função dos rins, de acordo com o médico. Outro problema é a interação, tanto entre medicamentos quanto entre alimentos e álcool.

“Medicamentos anticonvulsivantes associados com um fitoterápico chamado erva de São João podem sofrer alterações, porque modifica o metabolismo. Vitamina C pode alterar o efeito de medicamentos contra arritmia. Alguns xaropes contêm açúcar na fórmula; diabéticos devem usar com muita precaução. Outros xaropes são vasoconstritores; em alguém mais sensível, podem aumentar a pressão arterial”, exemplifica o toxicologista.

Fazer uso de determinados remédios também requer orientação médica sobre a alimentação. “Remédios para tireoide devem ser tomados em jejum, porque o alimento impede a absorção deles. Alguns antibióticos, tetraciclinas, não podem ser tomados com substâncias lácteas.”

Resultado de imagem para automedicação

Mas o grande vilão tende a ser o álcool, especialmente quando misturado com benzodiazepínicos (medicamentos de tarja preta, conhecidos popularmente como calmantes). “Se a pessoa ingere calmante e bebe, ele potencializa o efeito do álcool. Ou seja, a pessoa vai ficar muito embriagada. Os dois atuam no sistema nervoso central.”

Pulchinelli ressalta que buscar informações na internet é uma prática comum e que muitas vezes é esclarecedora. Mas é preciso ficar atento às fontes dessas informações. “A informação nem sempre é de qualidade ou confiável”. Um autodiagnóstico errado ou negligenciado pode colocar a pessoa em risco. “Confundir um infarto com dor de estômago é muito comum”, diz.

 
Todos os fabricantes de medicamentos oferecem um serviço chamado de farmacovigilância. Na embalagem ou na bula são disponibilizados números de telefone para que o consumidor relate eventuais efeitos adversos daquela substância. “É importante avisar o laboratório, porque essas informações são concentradas na Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, observa o médico.

Fonte: R7

‘‘Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos.’’  Salmos 19:1 (para entender, clique aqui, assista ao vídeo e se surpreenda).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar