Na L.S.F Informática, você encontra manutenção preventiva e corretiva de computadores, vendas de produtos de limpeza (Vassouras, rodos, limpa teto, esfregão, cabos para vassouras, cloro em gel, detergente, água sanitária, desinfetante, sabão de coco, amaciante, sabão gel pastoso, veja, limpa alumínio, soda líquida, cera líquida, pano de chão, entre outras variedades) temos xerox, impressões, plastificações, recarga de celulares, vendas de acessórios para celulares e computadores, divulgação de publicidade volante, criação e vendas de sites e lojas virtuais e outras variedades.
AstronomiaBolsonaroCristãoGospelMundoSuperinteressante

A Terra girou mais rápido em 2020 do que em qualquer outro ano desde 1960

O planeta Terra teve 28 dias mais curtos em 2020; para cientistas, 2021 será ainda mais reduzido.

Em 2020, a Terra bateu um recorde: fez sua rotação mais rápida desde 1960, quando relógios atômicos precisos foram lançados, em 28 dias diferentes.

 

Nosso planeta faz sua rotação a cada 86.400 segundos (24 horas). Existem dias, porém, que pode existir uma variação em milissegundos — motivo por trás do fenômeno do “dia mais curto” — devido a fatores como a pressão atmosférica, ventos e correntes ocêanicas.

De acordo com o site Time and Date, a Terra registrou esse fenômeno 28 vezes em 2020. Em 19 de julho de 2020, aconteceu o dia mais curto de todos, com a Terra completando sua rotação 1,4602 milissegundos mais cedo do que o normal.

 
Antes disso, o dia mais curto registrado foi por volta de 15 anos atrás, em 5 de julho de 2005.

O Tempo Universal Coordenado (UTC), fuso horário de referência para todas as zonas horárias do mundo, é ajustado por cronometristas internacionais quando o tempo de rotação da Terra se diferencia em 0,4 segundos do UTC.

Para fazer a regularização, eles adicionam um segundo bissexto ao final dos meses de junho ou dezembro. Na véspera de 2017, por exemplo, tivemos um segundo a mais antes de dizer adeus ao ano de 2016.

Cientistas acreditam que 2021 será ainda mais curto, tão curto que é possível que um segundo seja retirado ao invés de adicionado.

A expectativa é que os dias astronômicos deste ano tenham, em média, 0,5 milissegundos a menos. Isso significa que, ao longo do ano, teríamos por volta de 19 milissegundos a menos no tempo astronômico.

 
“É bem possível que um salto negativo seja necessário se a taxa de rotação da Terra aumentar ainda mais, mas é muito cedo para dizer se isso é provável que aconteça”, disse o físico Peter Whibberley, do Laboratório Nacional de Física do Reino Unido, ao The Telegraph.

Whibberley também disse ao Telegraph que a discussão do segundo bissexto negativo pode levar a extinção da técnica de adicionar segundos bissextos.

Fonte
Exame
Tags

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar