Na L.S.F Informática, você encontra manutenção preventiva e corretiva de computadores, vendas de produtos de limpeza (Vassouras, rodos, limpa teto, esfregão, cabos para vassouras, cloro em gel, detergente, água sanitária, desinfetante, sabão de coco, amaciante, sabão gel pastoso, veja, limpa alumínio, soda líquida, cera líquida, pano de chão, entre outras variedades) temos xerox, impressões, plastificações, recarga de celulares, vendas de acessórios para celulares e computadores, divulgação de publicidade volante, criação e vendas de sites e lojas virtuais e outras variedades.
BolsonaroCatólicosCidadãoCristãoEstudosFamíliasJesus CristoMundoPais&FilhosReligiãoSuperinteressanteTimóteoVale do Aço - MG

“O sistema religioso impede que as pessoas sejam transformadas”, diz pastor Zé Bruno

O fundador da Banda Resgate enfatiza que o verdadeiro Evangelho desmonta a religião. “O Verbo está fora do sistema”.

Em entrevista a Douglas Gonçalvesdo movimento JesusCopy, o pastor e fundador da Banda Resgate, Zé Bruno, fala sobre o sistema religioso e sobre as dificuldades que já enfrentou ao longo de sua vida cristã.

O líder da comunidade Casa da Rocha disse que sua música pode também ser uma crítica à religiosidade, mas que seu foco é evangelizar. “Trabalhamos na horizontalidade do Evangelho”, explicou.

NA L.S.F INFORMÁTICA TEM SUPER OFERTAS, VENHA CONFERIR, ATENDIMENTO ATÉ AS 23:30 TODOS OS DIAS.

Embora a banda possa ser vista como “ovelha negra”, Zé Bruno conta que “remar contra a maré” é sair do sistema religioso atual. Sobre este sistema, ele esclarece que tem um aspecto legalista que se resume no cumprimento de leis.

“As pessoas fazem o que fazem por obrigação. Hoje, o ensinamento no sistema é ‘faça isso porque isso é certo’ para ser um servo de Deus. Eu posso até fazer o certo, mas isso não é transformação”, enfatiza.

O que é transformação?

Segundo o pastor, o sistema se preocupa com uma pregação de comportamento moral, sem a existência da verdadeira transformação do ser. E para que haja uma transformação genuína, é necessário que o Evangelho seja pregado.

“Chega uma hora que a pessoa se sente sufocada e morta, porque o que vem do sistema é insuportável”, apontou. Por outro lado, ele mostra que aquilo que vem do Evangelho é poder e glória, não para o ser humano, mas para Deus.

CONFIRA ALGUMAS DAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS DA L.S.F INFORMÁTICA M.E.I FALE COM NOSSO SUPORTE (31) 9 8743-2506

SUPER PROMOÇÃO DE VASSOURAS, RODOS E PRODUTOS DE LIMPEZA, ACESSÓRIOS PARA CELULARES (CAPAS, CARREGADORES) E OUTRAS VARIEDADES, ENTREGAMOS NA REGIÃO DE TIMÓTEO, MINAS GERAIS, VENDAS (31) 9 8743-2506 WHASTSAPP

“Se eu creio em Cristo e o Evangelho passa a ser minha orientação, minha lente e visão de mundo, então eu morro para mim mesmo para ser a imagem Dele. Eu sou só um vaso, e a glória não está no vaso, mas no Espírito”, mencionou.

A transformação conforme a Bíblia é o oposto do que se vê no padrão do mundo, é uma mudança de mente e uma uma mudança radical de direção — o foco é alterado. “O foco é a graça, é a cruz”, resumiu.

Como evitar o legalismo?

“Pode parecer simples demais, mas a resposta é o novo nascimento”, destacou. Zé Bruno aponta para “uma nova pessoa” aquela que faz da própria vida uma forma de adoração a Deus.

“O culto é o que somos, não o que fazemos. A sua ética é o seu louvor”, disse ao se referir àqueles que sentem prazer em ter uma vida agradável a Deus. “É o que diz o livro de Jeremias, no capítulo 31: ‘A minha palavra estará em vossas mentes, e em vossos corações os meus estatutos’. É preciso encarnar a Palavra”, explicou.

O músico lembra que o sistema quer “sistematizar” a fé. “Na lógica da religião, a fé tem um ‘mercado’ e tudo vira linha de produção”, disse ao se referir à forma como as pessoas aprenderam a ler as narrativas bíblicas.

Zé Bruno e Douglas Gonçalves citam alguns exemplos. “Davi venceu Golias, então você vai vencer”. Ou então, vendem a arca, a espada, entre vários outros símbolos como “amuletos bíblicos”.

Onde Deus está?

É preciso se conscientizar que “quem produz é o Espírito, não somos nós”, alertou Zé Bruno. Quer dizer que não existe uma fórmula de avivamento, usando recursos musicais, artísticos ou evangelísticos para atrair Deus . “Tudo vem do próprio Deus”, ele disse.

“Tem dias que Deus vai falar no vento tranquilo e tem dias que vai falar no mar aberto. E tem dias que você vai olhar para a sarça, ela vai queimar e não vai ser consumida”, exemplificou.

Ao citar os tempos de João Batista, o pastor lembra que Deus não estava entre os sacerdotes e fariseus, mas estava no deserto, com João. “Na verdade, o Verbo já estava no deserto. Ele é do deserto, Ele é fora do sistema. Não é manipulável”, frisou.

Muitos só conhecem Deus dentro do sistema e foram machucados por pessoas que estavam ali para proteger. “Nós inventamos algumas simbologias que deixam as ‘castas’ bem separadas. Então, o ‘organismo vivo’ passa a ser escravizado pela organização, mas a organização deveria servir o organismo”, lembrou.

E finaliza dizendo que o Evangelho desmonta a religião. “Ele te coloca em liberdade ‘com’ o Rei e tira os domínios e os gurus. E tudo o que fazemos é por amor. Isso é lindo! Não vivo eu, mas Ele vive em mim”, concluiu.

Fonte
Guiame
Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar